Proua quanto bonde



Tener proua ne l que se fai, l mais de la bezes nun trai mal nanhun.
Bien al robés, cuido que ye até mui salutar tener proua an fazer las cousas bien, puis esso puode fazer la defrença antre todas, ganha todo l mundo.
I la mie geraçon, la geraçon que naciu ne ls anhos cinquenta, sessenta de l seclo datrás, muito lhigada a la lhaboura, si tenie proua ne l que fazie. Hoije passados que son muitos anhos, sien tener saludades de las cousas malas, tengo muitas i muito ourgulho de açuceder a ua geraçon que botaba muito ampeinho an fazer todo bien, geraçon antregue a la lhaboura i a las artes artesanas.
 -You anterrogo-me muito, qual era l tiu que nun s’ampenhaba an fazer un jugo, un arado, un rastro bien feito, qual era l lhabrador que nun tenie proua an fazer ua torna ajeitada i cierta quando sembraba ua tierra nas sementeiras, que fazie la segada nun apertaba bien ls manolhos, ne l acarreio nun ls carregaba bien para chegáren a las eiras, i apuis nun tenie proua an fazer un bun bornal?
-Qual era l carpinteiro que nun botaba to l ampeinho i saber daprendido quando fazie ua puorta, uas portaladas, un carro de bius, uas canhiças ou setas, un caixon pa las ubas, ua cuba ou arca?
 -Qual era l cesteiro que nun s’amprouaba quando le dezien que tenie ls cestos, cestas i scrinhos mais purfeito, l ferreiro que tempraba melhor las reilhas, çadones, guinchas, cambas i punteiros?
 -Qual era la tecedeira que ne l sou telar nun s’ambaidecie an fazer buonas pieças de lhana, las melhores mantas i colchas?
 
 -Nun habie xastre que nun s’antregasse de cuorpo i alma quando trabalhaba l borel na capa d’honra, l porsor na sue scuola para que ls sous alunos sabissen todo de las cuntas, la stória, geografie, lheitura, scrita i caligrafie fussen ls mais purparados pa l eisame.
Todo, mas to l mundo, cada un na sue arte querie siempre fazer melhor.
Habie an to la giente ua cierta perjunçon ne l que fazie, esso benie de l eisemplo de ls mais bielhos, abós, pais, armanos, fazer bien era algue que s’hardaba, passaba pula eiducaçon.
Noutros tiempos, podie i habie siempre reparo de l mundo cumo todo se fazie, bien ou mal, mas fazer las cousas bien amprouaba, traie nomeada, esso era cumo ua cunta oumentada i rendie, nun las fazer bien era çcrédito.
 Quantas bezes criaba nomeada na família de buona i até se mantenie por muitos geraçones. Era questume oubir-se dezir, ye de família, yá sou abó, que Dius tenga, carregaba bien un carro de manolhos, fazie bien ua torna i por ende alantre...
Esta proua de fazer las cousas bien, esta antrega de las gientes, a miu ber, fui la repunsable por mos chegáren até ls dies d’hoije muitos balores de las artes, balores retratados an oubjetos i cousas, ou seia son balores culturales i humanos, hai quien diga que l que stá bien feito nunca se muorre, ou lhieba tiempo a zaparcer. 
Naide debe chamar prouista a quien ten amor a la sue arte, a la sue tierra, a la sue fala, a la sue cultura, porque esso ye la sue eidentidade.
 





Visita este site para teres mais informações:

http://frolesmirandesas.blogspot.pt/


Agarrado a la tierra









I s’un die quedasse pribado d’ir a la mie tierra, morrie-me!

Dezido por outras palabras, se you quedasse proibido, d’ir a Zenízio, la tierra adonde naci, que me biu medrar, tenerie l maior zusto de la mie bida, morriesse un cacho de mi. Podie andar pul mundo, respiraba, mas nun bibie.

Gusto de l’aldé, de Zenízio, alhá stan las mies mimórias d’anfáncia, naqueilhes sítios adonde passei muito de la me jubentude. Son lhugares que gúardan parte ls mius segredos.

Ye un gustar a modos d’amar, cun quien you partilho cunfidéncias. Ourrietas, cabeços, outibales, prainuras, sítios, casas, rues, eigreija i capielhas, cruzes i cruzeiros, bárrios, terreiros por todo l lhado reçúman lhembráncias de l miu tiempo dantes. Fúrun muitos ls anhos, fúrun ricas las joldas, fúrun bincadas las temporadas, fúrun cachos d’ouro.

Hoije quando por alhá ando l tiempo ye scasso, ls dies pássan-se nun sfregante.

Quijo l çtino que tenga que fazer la bida noutro lhugar, mas to ls dies i poucos quedáran de fuora, an que l miu pensamiento nun steia rundando por aqueilhes chamadeiros i ajuntouros, an que ls parientes, bezinos i amigos nun steian cumigo.

Tierra guapa i spitaleira, que anfeliçmente yá ten pouca giente i nun hai modos de parar esta sangrie, porque l patrimonho houmano cada beç ye menos. I sien pessonas las cousas quédan feias, porque son eilhas que ténen l saber, balor maior de qualquiera tierra. Esso ye ua tristeza que m’atama ls dies, porque ye adonde m’agarro siempre, quando se ban de beç, róuban-me ua buona parte.

Ls tiempos ban passando i até agora, an besita i nas bacances siempre bou matando saludades, eilha siempre sprando fai-me essa buntade, cun bun trato i muita stima de la mie parte, un trato d’amantes.

Percuro siempre recompensar, partelhando, de tal modo que la mie tie yá ten cun eilha ua antemidade cumpleta i l miu nieto bai pul mesmo camino.

Ye causo para dezir quando se ye amigo berdadeiro, esse bien querer, essa amizade partilhasse culs mais achegados.

Ne l Chano de la Lhéngua




Muitos fúrun ls anhos i muitas fúrun las einiciatibas pormobidas nas bacances de berano, por to ls lhados ne l praino mirandés, cun çtaque las que se fazien por alturas de l Festibal Intercéntico de Sendin, tenendo l porsor Dr Amadeu Ferreira cumo pormotor i timoneiro.

Quien nun se lhembra de las palhentras, l curso de fin de sumana ne l spácio cedido puls bumbeiros, las jornadas pulas ruas i cafés cun lheituras de poesie i fala culas pessonas d’alhá i besitantes, alguns deilhes benidos de loinge por bias de l Festibal i tenien cuntato cula fala, la taluda jornada de lheitura de “Ls Lusiadas” na scuola adonde partecipórun dezenas de lheitores i  centenas d’oubientes, salimiento de lhibros de scritores que benien publicando seus cuontas, lhiendas, testos, poesie na “Fuolha Mirandesa” ne l Jornal Nordeste.

 Para quien cumo you que stá arredado de l xaragon (praino mirandés) de la lhéngua d’ourige, aqueilha que le ajudou a mamar i medrar, deseia i bibe l anho anteiro na spráncia de chegar alhá i bibir-la, quando assi nun ye queda çcunsolado.

A mi faien-me falta esta einiciatibas, mesmo tenendo alguas na región de Lisboua adonde bibo durante l anho, nun ye la mesma cousa. Quando por ende ando anté peçque la mie fala se bota pa l mirandés mais debrebe mesmo que fale cun fidalgos tal nun ye la fame i la gana de la falar.

You anté antendo muita giente que nun la querga falar, que nun steia persente, que nun fázen por mal, mas la lhéngua percisa que la falemos, i l melhor modo ye ne l die a die, uns culs outros, puis esso fai la çfrença d’hoije i fará la de manhana.

Estas bacances que yá se passórun nun fusse l salimiento de l lhibro d’Adelaide (Speciosa) i ne l que toca a mirandés tenie quedado an claro. De cultura, jogos fiestas i tradiçones tube algun ánimo, tube an Carbiçais, Miranda de l Douro, Bumioso i an Zenízio.

RONCOS DO DIABO EM FRANÇA


Roncos do Diabo pela segunda vez em França
Alem fronteiras este grupo deixou mais uma vez a sua marca de qualidade, espalhando o entusiasmo e alegria aos fãs da localidade francesa de Saint-Flour que os recebeu com muito carinho e hospitalidade. Pena é que santos de casa, não façam milagres. Uns querem e não tem!  Tem que importar! Outros tem e não ligam, ignoram com desdém! Não se pode agradar a todos! É uma pena!...




Em Português: RONCOS DO DIABO EM FRANÇA
A ritmos de dança Portuguesa
Roncos do Diabo: uma energia do diabo
Estes "dragões" atearam fogo onde quer que vagueiam!
Veio pela primeira vez em 2008, Roncos do Diabo - compreender dragões diabo fazer - merece seu nome.
Nas ruas de Saint-Flour, o grupo de quatro Gaitas de foles e um tambor para passear em ritmo seus instrumentos e implantar uma energia contagiante que faz você querer entrar, mesmo no transe. "Originalmente, o grupo, explicou Tiago, tambor, há Mário e Victor, os artesãos da Gaita-de-foles Transmontana, a gaita de foles portugueses. A força da nossa música vem da união de instrumentos que jogam individualmente. "Esses músicos de Torres Vedras a norte Lisboa encantaram uma última vez as ruas esta manhã antes de sair.





Mais um ano e a tradicional festa do pão se realiza em Caçarelhos no próximo Domingo de Ramos onde os filhos e amigos de Caçarelhos se juntam e confraternizam, este ano com um promissor cartaz. Infelizmente este ano não  me vai ser possivel estar presente, mas estou torcendo para que tudo corra pelo melhor e que a mordomia consiga cada vez mais dar a conhecer alem fronteiras a terra que nos viu nascer. Para todos envio a minha amizade com votos de que seja um êxito. Vosso Conterrâneo José Ventura. 

CAÇARELHOS FESTA DO PÃO 2014


Ao longo dos anos, em Domingo de Ramos, Caçarelhos junta os seus filhos em torno duma Festa cada vez mais viva, que é a festa do pão, talvez para lembrar o que ao longo dos anos foi esta pacata aldeia rural do Planalto Mirandés em relação ao ciclo do pão, talvês ainda  uma homenagem às padeiras que contribuíram para que o pão feito em Caçarelhos tenha sido um dos melhores da região e até do pais, pois que era procurado por gente de todo o Portugal, graças a três padeiras, ja desaparecidas, mas que com toda a justiça eu recordo (a tia Maria Pegada, a tia Emília e a tia Adorinda)

Aconteceu na pacata aldeia rural do Planalto Mirandés "CAÇARELHOS" mais um almoço convívio que foi o da Festa do Pão, pena foi que um dos grandes obreiros deste evento, não tivesse estado a tempo inteiro, como seria seu desejo o Presidente da Junta de Freguesia de Caçarelhos Prof. Sérgio Pires, dado estar internado no hospital de Bragança por motivo de doença. Para ele  muito sinceramente votos de rápidas melhoras. Festa muito bonita, onde não faltou o maravilhoso pão de Caçarelhos feito pelas artesãs do momento, renovando e fazendo-nos lembrar as artesãs tias Maria Pegada, Emilia Lopes e Adorinda, estas já desaparecidas, mas que nos deixaram a sua marca de qualidade  do pão de Caçarelhos. Honrou-nos também a presença no evento  o Dr, Jorge Fidalgo Presidente da Edilidade de Vimioso. Colaboraram ainda neste evento a mordomia das festas de Caçarelhos os casais Licínio Vicente, Alcino Hilário, António Emílio Preto e Valdemar Domingues e filhos  Para todo os meus parabéns. Colaboraram ainda os Grupos musicais Las Çarandas, gaiteiros de Santolhão, Pauliteiras de Sendim, e ainda o alegre e sempre simpático Rancho Etnográfico de Vimioso. E para que todos os de Caçarelhos e os que nos visitaram e possam visitar este Blog vou publicar o que me foi possível recolher. Para todos um abraço. Parabéns Caçarelhos!